Mesmo com baixa adesão, toplessaço causa alvoroço na Praia de Ipanema-BRASIL NÃO TEM VOCAÇÃO PARA PROSTITUIÇÃO

Mesmo com baixa adesão, toplessaço causa alvoroço na Praia de Ipanema

  • Poucas mulheres participaram do protesto
  • Ato foi marcado pelo Facebook para a chegada do verão

Tópicos da matéria:

NATALIA CASTRO (EMAIL·FACEBOOK·TWITTER)

Publicado:21/12/13 – 11h28
Atualizado:21/12/13 – 14h36
Jovem participa de toplessaço na Praia de Ipanema e é cercada por fotógrafos e curiosos Foto: Ivo Gonzalez / O Globo

Jovem participa de toplessaço na Praia de Ipanema e é cercada por fotógrafos e curiosos Ivo Gonzalez / O Globo

RIO – Com atraso de mais de uma hora, poucas mulheres participaram do toplessaço na manhã deste sábado na Praia de Ipanema, na Zona Sul. A primeira participante retirou a parte de cima do biquíni, sob os olhares, assobios e até palavras de baixo calão, durante o protesto, em frente à Rua Joana Angélica. Cerca de 200 curiosos acompanharam o ato, que foi marcado pelo Facebook.

Uma delas foi a estudante de Ciências Sociais Carolina Jovino, de 18 anos. Ela escreveu no corpo a palavra liberdade.

– Não tenho como esconder uma parte do meu corpo. Quero que as pessoas me digam por que o meu peito é mais chamativo do que os outros. Estou me sentindo reprimida. Ninguém anda pela praia perseguida por 50 pessoas.

Uma amiga de Carolina, Maria Suprani, de 17 anos, que cursa o Ensino Médio, ficou preocupada com o assédio, mas não desistiu do topless.

– É um preço que se paga. Não há nada que eu possa fazer. Quero liberdade.

 

 

 

Organizadora demorou a tirar sutiã

Organizadora do evento, a produtora Ana Rios, inicialmente decidiu não fazer o topless. Segundo ela, a ideia inicial era dar visibilidade ao problema da falta de liberdade da mulher em relação ao corpo. A parte de cima do biquíni foi retirada somente após o fim do assédio de fotógrafos.

– A ideia inicial era que o assunto ganhasse repercussão. Pena que se transformou num circo midiático. O que mais me impressiona são os homens que vieram aqui ver peitos. Se por um lado acabou virando um circo, de outro a discussão sobre o tema atingiu todos os setores. Não me sinto intimidada. Se eu fizesse topless, estaria usando o meu peito com conteúdo erótico. Não nego que mostrar o peito é erótico, mas também seria a hora e o lugar de mostrar que precisamos ser livres. Espero que essas pessoas que estão coagindo as pessoas hoje se sintam coibidas de fazer isso no futuro – desabafou Ana antes de fazer o topless.

 

A engenheira Denise Limpias disse que é a favor da bandeira:

– Essa causa é justa. Acredito que esteja atrasado, porque no Rio tudo atrasa – justifica Denise – O Brasil é a terra do peito e da bunda. A gente vê meninas sem calcinha dançando funk. Então, por que não podemos mostrar o peito na praia? – indaga.

A atriz Tatiana Henrique diz que costuma fazer um semi topless (desamarra o biquíni para tomar sol de bruços) com frequência.

– Tenho vontade de fazer topless, mas fico intimidada. Se a policia vier, vamos comprovar que acontece no Rio o que justifica essa ação: a criminalização do corpo. Isso não pode mais acontecer – recrimina ela.

No entorno, alguns manifestantes, com roupa, traziam cartazes contra o aumento dos preços das passagens, anunciado pelo prefeito Eduardo Paes, e em defesa do passe-livre nos ônibus.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/mesmo-com-baixa-adesao-toplessaco-causa-alvoroco-na-praia-de-ipanema-11132725#ixzz2o8xtDbjV 
© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Uma retrospectiva dos termos mais pesquisados no Google em 2013

 

Uma retrospectiva dos termos mais pesquisados no Google em 2013

 

RAFAEL CISCATI
17/12/2013 16h55 – Atualizado em 17/12/2013 17h05
 
 
 
 
 
Kindle

inShare1

 
 
Google mais buscados (Foto: Reprodução/ Youtube)

Zeitgeist é um termo em alemão que pode ser traduzido como “espírito de uma época”. É o que o Google tenta capturar em suaretrospectiva de fim de ano, divulgada hoje, relacionando os termos mais procurados em 2013.

No mundo todo, o termo mais procurado foi o nome do ex-presidente da África do Sul,Nelson Mandela, morto no último dia 05 de dezembro.  Ele vem seguido de perto pelos atores Paul Walker (Velozes e Furiosos) e Cory Monteith (Glee), também falecidos em 2013. As personalidades do ano ainda incluem Mala Yousafzai, a garota paquistanesa (na foto ao lado), indicada ao Prêmio Nobel da Paz, que luta pelo acesso das meninas à educação. No Brasil, o termo mais buscado foi “BBB13”. 

>>Piano mágico prega peça em passageiros de estação de trem
>>O pedido de demissão que mais bombou na web

No vídeo abaixo, o Google ainda destaca os fenômenos culturais e os vídeos virais que fizeram sucesso este ano. Alguns deles apareceram aqui no Bombou, como o pedido de demissão da redatora Marina Shifrin – que desistiu do emprego dançando!

Confira:

 

Mais buscados no Mundo

1.Nelson Mandela
2.Paul Walker
3.iPhone 5s
4.Cory Monteith
5.Harlem Shake
6.Boston Marathon
7.Royal Baby
8.Samsung Galaxy S4
9.PlayStation 4
10.North Korea

 

Mais buscados no Brasil

1.BBB 13
2.Telexfree
3.Salve Jorge
4.Enem 2013
5.MC Daleste
6.A Fazenda
7.Pronatec
8.Amor à Vida
9.PEC 37
10.BBom

Dilma diz que não se manifestará sobre Snowden

Dilma diz que não se manifestará sobre Snowden

A jornalistas, a presidente afirmou que não recebeu qualquer solicitação formal de asilo. Na terça (17), imprensa divulgou carta pública do ex-consultor da NSA

REDAÇÃO ÉPOCA, COM AGÊNCIA BRASIL E ESTADÃO CONTEÚDO
18/12/2013 13h32 – Atualizado em 18/12/2013 13h38
 
 
 
 
Kindle

inShare

 
 
Em encontro com jornalistas na manhã desta quarta (18), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), Dilma Rousseff afirmou que não recebeu pedido formal de asilo político de Snowden (Foto: Antonio Cruz / ABr)Em encontro com jornalistas na manhã desta quarta (18), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), Dilma Rousseff afirmou que não recebeu pedido formal de asilo político de Snowden (Foto: Antonio Cruz / ABr)

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (18) que o governo brasileiro não tem que se manifestar sobre a campanha de pedido de asilo político do ex-consultor da Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês) Edward Snowdenao Brasil. A presidente disse que não recebeu nenhuma solicitação formal e que não cabe a ela interpretar cartas. “Me dou completamente o direito de não me manifestar sobre o que não foi encaminhado”, disse em encontro com jornalistas no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). “E mais do que isso, eu não interpreto cartas, não é minha missão.”

Na terça-feira (17), o jornal Folha de S.Paulo publicou uma carta aberta escrita por Snowden ao povo brasileiro, em que ele se diz disposto a cooperar com as investigações do Brasil sobre a NSA. De acordo com a publicação, a carta será usada em uma campanha no site de petições da ONG Avaaz para recolher assinaturas em defesa da concessão de asilo a Snowden, responsável pelas recentes denúncias de espionagem americana envolvendo empresas e cidadãos brasileiros, dentre eles a própria Dilma. 

Dilma disse que não foi pedido nada a ela e que, por isso, não tem como se manifestar sobre um indivíduo que não se dirigiu ao governo. “Nós não somos um órgão ao qual se faz, ou se consulta, ou se comunica por interpostas. A nós não foi encaminhado nada. Vou me manifestar como?”, indagou.

A espionagem americana

Nos últimos meses, o ex-técnico americano Edward Snowden, que trabalhou para a Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês), tornou público que o governo americano havia desenvolvido o maior programa de monitoramento em massa de comunicações de que se tem conhecimento no mundo.

Com a colaboração do jornalista americano Glenn Greenwald, a quem Snowden repassou os documentos sigilosos, no final de julho, ÉPOCA revelou com exclusividade arquivos que mostram que a NSA espionou oito membros do Conselho de Segurança da ONU, no caso das sanções contra o Irã, em 2010.

Em seguida, ÉPOCA teve acesso a uma carta ultrassecreta em que o embaixador americano no Brasil, Thomas Shannon Jr., agradece o diretor da NSA, general Keith Alexander, pelas “excepcionais” informações obtidas numa ação de vigilância de outros países do continente, antes e depois da 5ª Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago, em abril de 2009.Shannon celebra, no documento, como o trabalho da NSA permitiu que os EUA tivessem conhecimento do que fariam na reunião os representantes de outros países. Em entrevista a ÉPOCA, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que manter dados em segredo faz parte do jogo diplomático, mas que a espionagem em negociações pode configurar uma forma de fraudá-las. “Estamos diante de um escândalo de proporções globais.”

NT

Bolsonaro intrigou Dilma em sessão do Congresso

 

Bolsonaro intrigou Dilma em sessão do Congresso

 

FELIPE PATURY
19/12/2013 13h09 – Atualizado em 19/12/2013 13h41
 
 
 
 
Kindle

inShare

 
 
Jair Bolsonaro (Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados)Jair Bolsonaro (Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados)

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) provocou frisson ao entrar ontem na cerimônia do Congresso que restituiu o mandato do falecido presidente João Goulart, cassado em 1964. Defensor do regime militar, ex-capitão do Exército, Bolsonaro entrou no plenário e rumou à mesa diretora  para falar com o presidente da casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que era ladeado pela presidente Dilma Rousseff. Nesse momento, discursava da tribuna o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), autor do projeto de resolução que anulou a cassação de Jango. “O que é que ele quer?”, perguntou Dilma a Renan, tão logo Bolsonaro se afastou. “Queria fazer discurso. Eu expliquei que quem falaria pela Câmara era o Henrique Eduardo Alves. Ele disse que queria falar pelos miliitares”, relatou Renan.

Dirigentes do PSD e do PMDB procuraram o deputado estadual Major Olímpio, líder do PDT em São Paulo, e tentaram fazer com que ele desistisse de disputar o governo paulista. Os dois partidos queriam que Major Olímpio apoiasse os seus candidatos ao Palácio dos Bandeirantes:

Dirigentes do PSD e do PMDB procuraram o deputado estadual Major Olímpio, líder do PDT em São Paulo, e tentaram fazer com que ele desistisse de disputar o governo paulista. Os dois partidos queriam que Major Olímpio apoiasse os seus candidatos ao Palácio dos Bandeirantes:.