INAUGURAÇÃO DO COMITÊ DE CLÁUDIA NO NORTE DE PALMAS

Cláudia a  mulher determinada e amada pelo Povo de Palmas!

 

Cláudia a futura prefeita de Palmas,foi muito humilde,realista e convincente hoje,ao inaugurar o comitê da região Norte de Palmas, na abençoada Vila União.

Centenas de pessoas voluntárias e alegres estavam presentes e vibraram com sua fala simples e direta,com suas ideias e projetos.

Quem abriu o discurso foi o valoroso Capitão Edvardes que deixou o público eletrizado e efusivo,falando de seus projetos de segurança e bases de educação em segurança comunitária.

O pastor Lázaro presidente metropolitanos do PMDB de Palmas,falou com muita emoção e propriedade.Também o grande líder Deocleciano Gomes,presidente do PV Metropolitano foi racional e emotivo ao mesmo tempo.

Foi uma grande festa de celebridades políticas misturadas com o povo de Palmas que estava empunhando as bandeiras da vitória de Cláudia Lelis.

A deputada JOSI NUNES falou com tanto amor que o público se entusiasmou e aplaudiu e todo o palanque se emocionou.

O poeta Derval de Paiva reverberou a paixão pela política e falou que o palanque é seu altar e seu sacerdócio e é a politica.

Mas foi mesmo Cláudia que emocionou toda a população presente,todo o povo ficou em silêncio para ouví-la, e até a primeira gravação de sua fala na TV fora feita ao vivo na presença de todos que amaram estar com Cláudia  e sua gente boa que sonha um sonho bom para Palmas.

Cláudia falou que o povo de Palmas precisa ser amada e respeitado e que todas as unidades sociais devem ser restauradas,bem como os CRAS e unidades de apoio a criança er adolescente que o Amastha destruiu.

Cláudia disse que sabe da realidade  do Tocanrtins, e que a questão da comida que faltou no HGP foi irresponsabilidade da empresa,que imediatamente voltou a dar café da manhã,almoço e janta para todos os pacientes e médicos e que a saúde aos poucos será restaurada no Tocantins. E afirmou que sua política é uma ação democrática de amor e planejamento e não de ataques pessoais e críticas sem lógica como as que fazem o péssimo prefeito colombiano CARLOS AMASTHA.

Cláudia pretende restaurar a autoestima e  autoimagem do povo de PALMAS,que precisa de emprego,de atenção, de hospital de urgência municipal e de respeitos aos postos de saúde dos bairros.

Claudia disse que não entende por que somente agora o colombiano resolveu dizer que irá fazer um posto de saúde para cirurgias eletivas. Sendo que ele teve quatro anos para fazê-lo e não fê-lo por não querer.

Agora os desesperados tentam ganhar pelo tapetão,com ilações e acusações falsas, mas a verdade virá á tona e CÁUDIA será prefeita de Palmas.

ANTÔNIO GUIMARÃES

Mais de 60 famílias ficam isoladas após ponte ser destruída por incêndio

Mais de 60 famílias ficam isoladas após ponte ser destruída por incêndio

Incidente foi registrado no povoado Mumbuca, no município de Mateiros.
A prefeitura informou que não tem previsão para uma nova construção.

Do G1 TO com informações da TV Anhanguera

Famílias do povoado Mumbuca, localizado no município de Mateiros, 241 km de Palmas, ficaram isoladas após a única ponte que liga a região à cidade pegar fogo e ficar totalmente destruída. O incidente foi registrado na manhã desta quarta-feira (24). (Veja o vídeo)

A população ilhada e sem estrutura, têm dificuldade para realizar tarefas simples, como comprar alimentação e ir à escola. Eles temem não conseguir socorro em situações de emergência.

Durante o incêndio, a artesã conhecida com Santinha falou sobre as dificuldades que serão enfrentadas até que o problema seja resolvido. “A ponte estava ruim, mas todo mundo passava. Muitos alunos que estão estudando, passavam de moto”, disse.

O secretário de controle interno de Mateiros, João Miranda, informou por telefone que um desvio emergencial já está sendo providenciado, mas não há previsão para a construção de uma nova ponte.  Ele disse que a prefeitura não tem recurso suficiente, e o processo depende de outras deliberações. A polícia vai investigar as causas do incêndio.

O Corpo de Bombeiros informou que a região é atendida por brigadistas. As causas do incêndio ainda são desconhecidas, mas os moradores e a prefeitura acreditam que o fogo tem origem criminosa.

Raul me acusou de pedir ajuda nas redes sociais depois de ser exonerado do estado-agora é o Miranda que pede comida,ui coitado do pobre!

25/08/2016 07h55 – Atualizado em 25/08/2016 09h37

Governo usa rede social para pedir doação de comida para hospital

Alimentação do Hospital Geral de Palmas foi retomada após doações.
Empresa parou de fornecer alimentação porque diz ter R$ 75 mi para receber.

Do G1 TO

O governo do Tocantins está pedindo ajuda para manter a alimentação dos pacientes do Hospital Geral de Palmas. Em uma rede social oficial, o Estado afirmou na noite desta quarta-feira (24) que “está contando com a doação de alimentos de voluntários, como empresas e particulares”. A comida do HGP acabou na terça-feira (23) para pacientes e acompanhantes. O problema também atingiu hospitais no interior do estado.

Nesta quinta-feira (25), a Litucera, que é responsável pelo fornecimento da alimentação dos hospitais do estado, recusou receber cerca de R$ 2 milhões porque quer pelo menos R$ 10 milhões para retomar o serviço. A empresa diz que não consegue abastecer o hospital porque o governo deve R$ 75 milhões. (Veja o vídeo)

Governo pediu doações em rede social (Foto: Reprodução)Governo pediu doações em rede social (Foto: Reprodução)

A falta de comida fez com que os próprios pacientes protestassem na tarde de terça-feira (23). Cerca de 400 ficaram sem receber alimentação e tiveram que comprar marmitas na porta do hospital.

A situação do HGP fez com que estudantes do curso de direito da UFT montassem um ponto de coleta de doações dentro da instituição. Os alimentos arrecadados serão doados para os pacientes.

Estudantes de direito da UFT arrecadam alimentos para doar a pacientes do HGP (Foto: Divulgação)Estudantes de direito da UFT arrecadam alimentos
para doar a pacientes do HGP (Foto: Divulgação)

Para o defensor público Arthur Pádua, a situação se trata de uma chantagem da empresa. “O que acontece é uma chantagem. Geralmente eles notificam, cobram o Estado, o Estado não responde, não paga. Aí eles vão lá e cortam o alimento para forçar o Estado a pagar”, disse o defensor público Arthur Pádua.

Dívida
A empresa Litucera presta serviço para o governo desde 2005. De acordo com o Ministério Público Federal, em 2012, uma licitação beneficiou a empresa, que passou a realizar quatro tipos de tarefas para os hospitais.

Desde essa época não houve mais licitação. Os gestores optaram por prorrogar os contratos. Em abril desse ano, a procuradoria da república entrou na Justiça. Fiscais analisaram 25 notas pagas a empresa entre 2012 e 2014.

Conforme o MPF, foi constatado que em todos eles a empresa tem que devolver dinheiro para o estado, porque teria recebido indevidamente, mais de uma vez, pelo mesmo serviço.

Conforme o Ministério Público, para servir alimentação, a empresa recebeu 130 milhões de 2012 a 2014. Sendo 54 milhões, 41% do valor teriam sido pagos de forma irregular. A justiça federal determinou que o governo não dê continuidade nos contratos.

Respostas
A Litucera reafirmou que a dívida do estado ultrapassa R$ 70 mi e que a falta de pagamento impossibilita a continuidade do abastecimento da cozinha dos hospitais. Sobre o processo, a empresa afirmou que não existe fraude e já forneceu documentos que comprovam isso.

O governo do Estado disse que não reconhece o valor da dívida e informou que grande parte desse valor se refere a supostos serviços realizados no fim da gestão passada. Disse ainda que está dando prosseguimento ao processo licitatório para a contratação de novas empresas para prestação desse tipo de serviço nas unidades hospitalares do estado.

Medição foi feita pela estação de Meteorologia da Secretaria de Agricultura. Trabalho é realizado diariamente, às 9h; veja vídeo

Medição foi feita pela estação de Meteorologia da Secretaria de Agricultura.
Trabalho é realizado diariamente, às 9h; veja vídeo

Do G1 TO, com informações da TV Anhanguera

A estação de Meteorologia da Secretaria de Agricultura do Tocantins registrou ventos de 53 km/h na manhã desta quinta-feira (25), em Palmas. A medição é feita diariamente, às 9h. Por causa da ventania, em algumas quadras, principalmente nas que não estão asfaltadas, houve uma “avalanche” de poeira. (Veja o vídeo)

Redemoinho registrado em Figueirópolis, região sul do Tocantins (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Redemoinho registrado em Figueirópolis
(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A ventania é comum no estado nessa época do ano por causa do clima seco. No mês passado moradores de Figueirópolis, na região sul do Tocantins, registraram redemoinhos de poeira.

O climatologista e professor da Universidade de Federal do Tocantins (UFT), Jair Oliveira, explica que é o deslocamento de massas de ar que dá origem aos redemoinhos.

“Com as diferenças entre as temperaturas, o ar quente sobe, o ar frio se desloca e o movimento de rotação da terra forma o redemoinho. Então, é um fenômeno normal”, disse Oliveira.

Litucera diz que deve R$ 14 mi e usa estoque “remanescente” para fazer refeições

Litucera diz que deve R$ 14 mi e usa estoque “remanescente” para fazer refeições

25 AGO 2016

12h22 atualizado às 14h15

24

Diretor da empresa afirma que débito do governo chegará a mais de R$ 80 mi na próxima semana; Sesau afirmou não reconhecer montante total

Da Redação

Impasse entre o governo do Estado e a Litucera Limpeza e Engenharia, responsável pelo serviço de nutrição e dietética, higienização e processamento de roupas nos hospitais estaduais, novamente tem penalizado pacientes, acompanhantes e servidores. Em entrevista ao CT, o diretor da empresa, Edison Silva, argumentou que a falta de fluxo de caixa para pagar fornecedores, em face à “altíssima” inadimplência do governo, tem dificultado o fornecimento de alimentos. Conforme o dirigente, a dívida atual é de R$ 73 milhões, entretanto, ele adiantou que na quarta-feira, 31, será fechada mais uma medição e o débito irá ultrapassar os R$ 80 milhões. O Executivo diz não reconhecer o montante total da dívida.

Foto: Divulgação
Litucera voltou a servir refeições no Hospital Geral de Palmas porque alimentos foram doados

Edison alega que “nunca houve interrupção” no fornecimento. “Embora seja nosso direito após 90 dias de inadimplência”, observa. De acordo com o gestor, a empresa continua preparando as refeições com o estoque de alimento “remanescente”, após suspensão de abastecimento pelos fornecedores. “Tanto que estamos produzindo com as doações que o Estado está conseguindo”, ressalta.

O problema, conforme justifica o diretor da Litucera, é que como a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) não tem repassado os valores devidos, por consequência, a empresa também não consegue cumprir os compromissos com os fornecedores. “Somente dentro do Estado do Tocantins devemos mais de R$ 14 milhões aos fornecedores”, informou Edison da Silva.

Acordos
O dirigente da Litucera afirma que o Executivo estadual não tem cumprido “nenhum” dos acordos feitos ainda em junho, quando havia ocorrido o mesmo problema de falta de alimentação nos hospitais do Estado.

Por sua vez, em nota à imprensa, a Sesau já havia afirmado que o pagamento previsto para esta terça-feira, 23, dia em que os pacientes ficaram sem almoço; foi rejeitado pela Litucera. Segundo a pasta, a empresa insiste em receber R$ 10 milhões para retomar os trabalhos.

Edison Silva preferiu não comentar a informação dada pela secretaria. “Não estamos aptos a debater com pessoas que tratam assunto tão sério dessa forma, com inverdades e jogo de palavras”, declarou.

Aditivos “ilegais”
Não bastasse todo a problemática, o defensor público Arthur Luiz Pádua Marques, coordenador do Núcleo Especializado de Defesa da Saúde (Nusa) da Defensoria Pública do Tocantins lembra ainda que boa parte da dívida do Estado com a Litucera é proveniente de “aditivos ilegais”, e, portanto, não pode ser paga, pois é objeto de ação judicial. “Se identificou nas auditorias que o contrato estava sendo pago de forma irregular, não se tinha um controle rígido quanto ao fornecimento dessas alimentações”, observou o defensor.

“Há valores de irregularidades e vários indícios de improbidade administrativa já anotados nas ações que correm na Justiça Federal. O fluxo de pacientes em um período analisado não batia com os valores das alimentações. É preciso verificar as possíveis doações para campanhas eleitorais feitas pela empresa e seus sócios. O valor de pagamento que o Estado fez à empresa no ano de eleições foi alto e, apesar disso, o coitado do paciente é que está pagando a conta, uma conta de algo que pode significar uma grande fraude. Ou seja, o problema é muito mais embaixo”, enfatizou.

Segundo investigação dos gastos da saúde feita pelo Ministério Público Federal no Tocantins (MPF/TO) e pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) a empresa Litucera Engenharia e Limpeza teria recebido irregularmente do governo do Estado entre os anos de 2012 e 2014 a quantia de R$ 98.736.408,15. A governo do Estado estaria usando esses fatos como “defesa”, pois diz não reconhecer o montante total da dívida alegada pela empresa, “grande parte referente a supostos serviços realizados no fim da gestão passada”, diz a nota da Sesau.

Sobre as investigações, Edison da Silva argumentou que houve “erro de interpretação” da auditoria e que a defesa da empresa já teria comprovado isso nos processos. “Todos esses procedimentos tidos como indícios de fraudes continuam acontecendo nessa gestão, até porque não é fraude, muito menos desvio, apenas erro de interpretação daquela auditoria, fatos já comprovados em nossa defesa nos devidos processos”, alegou, ao acrescentar: “Assim, fica difícil a Sesau acusar que devemos valores do passado auditado exercício 2012 a 2014, quando eles mesmo continuam praticando os mesmos atos. Para provar isso pegamos por amostragem apenas dois itens das acusações e fizemos protocolo ao secretário Musafir em 19 de julho 2016 e até agora, claro, que não obtivemos resposta”.

Contratação de novas empresas
A Litucera atua no Estado desde 2005 e o contrato atual deveria terminar no final de 2017. Entretanto, a Secretaria de Saúde afirmou que está dando prosseguimento ao processo licitatório para a contratação de novas empresas. Já a o diretor da Litucera, ao finalizar, informou que está estudando alternativas e em breve tomará providências cabíveis, para “cessar essa interminável forma de nos achincalhar”, concluiu.

Histórico
Em junho, servidores de plantão e acompanhantes do Hospital Geral de Palmas e de algumas unidades de saúde do Estado ficaram sem alimentação por uma semana e a dieta dos pacientes ficou escassa.

A situação ficou tão grave que a empresa chegou a deixar os pacientes sem café da manhã, conforme denunciou uma servidora ao CT, na época. Nesse dia, os pacientes e acompanhantes somente se alimentaram porque fiéis de uma igreja teriam doado alimentos.

Na época, o diretor da Litucera Limpeza e Engenharia, Edison Silva, já havia avisado que caso o governo não pagasse parte da dívida, o mínimo necessário para adimplir com os custos da operação, poderia haver “novos problemas de abastecimento” de comida. O que acabou ocorrendo.

O Ministério Público Estadual realizou uma vistoria no hospital nesta terça-feira, 23, após denúncia, por telefone, de que os pacientes estariam sem receber alimentação.

A promotora de Justiça Maria Roseli de Almeida Pery conversou com pacientes e acompanhantes nas enfermarias e nos corredores do maior hospital público do Estado, os quais relataram que foi servido o café da manhã, mas que o almoço não foi fornecido.

A representante do MPE esteve na cozinha do HGP e foi informada pelos funcionários da Litucera de que não havia ingredientes para o preparo das refeições. Também afirmaram que já haviam informado a situação à diretoria do hospital, ainda pela manhã, e que essa baixa no estoque de alimentos teria sido comunicada anteriormente.

A promotora de Justiça solicitou apoio policial, diante da situação de flagrante delito. O delegado Jeter Aires Rodrigues conduziu dois representantes da Litucera, uma diretora do HGP e dois representantes da Secretaria de Estado da Saúde para serem ouvidos na 1ª Delegacia de Polícia Civil de Palmas.

MINISTRO É CONTRA A LEI QUE PUNE CORRUPTOS

Gilmar Mendes diz que proposta defendida por Moro é coisa de ‘cretino’

GABRIEL MASCARENHAS
DE BRASÍLIA

23/08/2016 17h28

Compartilhar
PUBLICIDADE

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), afirmou nesta terça (23) que integrantes do Ministério Público Federal devem “calçar as sandálias da humildade”.

Classificou ainda de “cretino” quem criou proposta de combate à corrupção defendida pelo juiz Sergio Moro e pelo coordenador da Lava Jato no Paraná, procurador Deltan Dallagnol.

“É aquela coisa de delírio. Veja as dez propostas que apresentaram. Uma delas diz que prova ilícita feita de boa fé deve ser validada. Quem faz uma proposta dessa não conhece nada de sistema, é um cretino absoluto. Cretino absoluto. Imagina que amanhã eu posso justificar a tortura porque eu fiz de boa fé”, disse o ministro.

Raphael Ribeiro – 11.mai.2016/Folhapress
Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal)
Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal)

Mendes refere-se ao pacote de projetos de lei entregue ao Congresso por integrantes do Ministério Público Federal em março com mais de dois milhões de assinaturas de apoio. O pacote propõe a adoção de novos instrumentos de investigação para combater a corrupção. Um dos principais entusiastas das chamadas “dez medidas contra a corrupção” é o procurador Deltan Dallagnol.

Um dos tópicos do texto flexibilizaria a utilização de provas obtidas ilicitamente, desde que não haja má fé por parte do investigador que a colheu. A proposta em questão tem apoio de Sergio Moro, responsável pela Lava Jato. O magistrado saiu em defesa da medida, por exemplo, quando participou de audiência na Câmara, no último dia 4.

Assim como disse à Folha, Mendes voltou a criticar a decisão do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, de suspender as negociações de um acordo de delação premiada com ex-executivos da empreiteira OAS após vazamento de detalhes confidenciais.

“Não acho que seja o caso suspender a delação ou prejudicar quem esteja disposto a contribuir à Justiça. Tenho impressão de que estamos vivendo momento singular[…] Depois, esses falsos heróis vão encher os cemitérios, a vida continua”, afirmou o ministro.

Na opinião de Mendes, os investigadores foram os responsáveis pelo vazamento de informações publicadas pela revista “Veja” revelando que o ministro do STF Dias Toffoli foi mencionado em depoimento de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS.

“E as investigações do vazamento daquelas prisões preventivas, onde estão? Já houve conclusão? O resumo da ópera é: você não combate crime cometendo crime. Ninguém pode se achar o “o” do borogodó. Cada um vai ter seu tamanho no final da história. Um pouco mais de modéstia, calcem as sandálias da humildade”, criticou Mendes, referindo-se aos investigadores.

Aeronáutica retira condecorações dadas a Dirceu e Genoino

Aeronáutica retira condecorações dadas a Dirceu e Genoino

Eduardo Knapp -15.nov.2013/Folhapress
Sao Paulo, SP, BRASIL, 15-11-2013 19h26:Ex Ministro Jose Dirceu se apresenta na Policia Federal em Sao Paulo apos receber mandato de prisao ( Foto Eduardo Knapp/Folhapress.PODER) //// SÃO PAULO, SP, BRASIL, 15-11-2013 17h20: O deputado federal José Genoino, faz gesto ao se apresentar à Superintedência da Polícia Federal, em São Paulo (SP). O presidente do STF, Joaquim Barbosa, expediu 12 mandatos de prisão dos condenados no Escândalo do Mensalão. Genoino foi condenado por organizar o mensalão negociando acordos com partidos que apoiariam o governo Lula e assinado alguns dos empréstimos do Banco Rural. (Foto Eduardo Knapp/Folhapress, PODER)
Os petistas José Dirceu (esq.) e José Genoino, condenados no escândalo do mensalão

GUSTAVO URIBE
DE BRASÍLIA

23/08/2016 20h49

Compartilhar
PUBLICIDADE

O comandante da Força Aérea Brasileira, tenente-brigadeiro Nilvaldo Rossatto, retirou condecorações militares que tinham sido concedidas ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e ao ex-deputado federal José Genoino, condenados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no escândalo do mensalão.

Os petistas foram excluídos, em portaria publicada na última quinta-feira (18) no “Diário Oficial da União”, do corpo de graduados especiais da corporação militar.

Na administração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dirceu havia recebido o grau de grande-oficial e Genoino havia sido condecorado com o título de comendador.

A decisão segue posições semelhantes adotadas nos últimos anos pela Marinha e pelo Exército. No ano passado, as Forças Armadas retiraram a Ordem do Mérito Militar de condenados em 2012 pela Suprema Corte por participação no escândalo político.

Em julho, a pedido do Ministério Público, a Marinha cassou as medalhas do Mérito Naval de Dirceu, Genoino e do ex-deputado federal João Paulo Cunha, também condenado no mensalão.

Um decreto editado em 2000, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, determinou a cassação de honrarias concedidas a pessoas condenadas judicialmente.